Explore uma representação interativa de como a ciência se processa. Página original em inglês Home Glossário pesquisa home Compreender a Ciência Para professores Biblioteca de recursos
Asteroides e dinossauros
página 4 de 10
anterioranterior | seguinteseguinte
  A história complica-se …
Helen Michel e Frank Asaro com Walter e Luis Alvarez
Helen Michel e Frank Asaro com Walter e Luis Alvarez.
 
Os resultados da análise de irídio foram bastante claros e completamente surpreendentes. A equipa (que também incluiu os químicos Helen Michel e Frank Asaro) encontrou três partes de irídio por milhar de milhão — mais de 30 vezes o que eles tinham esperado com base em qualquer uma das suas hipóteses, e muito, muito mais do que o contido em outras camadas estratigráficas! É evidente que algo incomum se estava a passar no momento em que esta camada de argila tinha sido depositada — mas o que teria causado tal pico de irídio? A equipa começou a chamar a estes resultados "a anomalia de irídio," porque era tão diferente do que tinha sido visto em qualquer outro lugar.

O resultado inesperado significa que os pressupostos devem ser revistos.

Agora Alvarez e a sua equipa tinham ainda mais perguntas. Mas primeiro, eles precisavam saber até que ponto esta anomalia do irídio estava disseminada. Era um desvio local — o sinal de algum desastre em pequena escala restringido a uma pequena parte do antigo leito marinho — ou estaria o pico de irídio distribuído globalmente, indicando uma catástrofe generalizada?

Gráfico simplificado mostrando o conteúdo de irídio através do limite K-T tal como medido em Gubbio, Itália Gubbio, Itália e Stevns Klint, Dinamarca — locais que confirmaram a presença generalizada de uma anomalia de irídio
À esquerda, um gráfico simplificado mostrando o conteúdo de irídio através do limite K-T tal como medido em Gubbio, Itália. Trabalho posterior sugeriu que a camada de argila, na verdade, continha ainda mais irídio do que o seu primeiro teste tinha sugerido — 10 partes por milhar de milhão de irídio! À direita, Gubbiona Itália e Stevns Klint na Dinamarca — locais que confirmaram a presença generalizada de uma anomalia de irídio.

Alvarez começou a pesquisar em estudos geológicos publicados para identificar um local diferente que também mostrasse o limite K-T. Ele finalmente encontrou um na Dinamarca e pediu a um colega para realizar o teste de irídio. Os resultados confirmaram a importância da anomalia de irídio: o que tinha acontecido no final do Cretáceo tinha sido em grande escala.


Toda esta secção está disponível em PDF.

veja também
O teste de irídio revelou que uma suposição que Alvarez e a sua equipa tinham feito sobre a deposição de irídio na fronteira K-T estava incorreta. Para saber mais, visite Fazendo suposições.




Foto de Helen Michel, Frank Asaro, Walter e Luis Alvarez de Ernest Orlando Lawrence Berkeley National Laboratory

Home | Acerca | Copyright | Créditos e Colaboradores | Contactos